Economia
Rosalvo Menezes
Economia

Missão Toledo: uma abertura de mentes

É justamente uma verdadeira abertura de mentes o que ocorreu com a visita técnica que a SGC GarantiNordeste proporcionou aos integrantes da Missão Toledo, levando um número de 20 (vinte) pessoas até a Capital Paranaense do Agronegócio.

Todos os representantes de entidades e cooperativas já conheciam o trabalho desenvolvido pela SGC, em maior ou menor profundidade, mas alguns não tinham uma noção exata da importância do empreendimento que se tem em mãos para alavancar o desenvolvimento local.

Por isso, uma visita in loco, serviu para abrir as mentes dos participantes compostos de representantes das Organizações das Cooperativas da Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte; dos integrantes do Sebrae da Paraíba e Pernambuco; da Federação das Associações dos Municípios da Paraíba; de duas Agências de Fomento de Pernambuco, representando as cidades de Igarassu e Petrolina; da Associação Comercial e Empresarial de Campina Grande e João Pessoa;  e principalmente das Cooperativas de Crédito do Sistema Sicoob da Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

A proposta principal da Visita Técnica era mostrar como estão operando a Sociedade de Garantia de Crédito do Oeste do Paraná e a SGC CENTRAL, pois as entidades individuais são regidas por uma entidade central que dá o rumo a ser seguido, realizando as tratativas em benefício de todos.

Conhecendo Toledo

Além de conhecer as Sociedades Garantidoras; a comitiva da missão teve a oportunidade de visitar a Cooperativa Sicoob Meridional, que possui 66.350 associados e serve de exemplo para as nossas Cooperativas no Nordeste; além da Prefeitura Municipal de Toledo, que aportou recursos próprios do município para o Fundo Garantidor beneficiando microempresas, empreendedores individuais e empresas de pequeno porte do município.

A visita técnica foi encerrada com o conhecimento do trabalho desenvolvido no BIO PARK, entidade referência no Brasil em Parques Tecnológicos, que também criou um Fundo Garantidor próprio.

Nova mentalidade

A abertura de mentes das entidades e prefeituras que têm na SGC um modelo de aportar recursos em seus municípios é crucial, principalmente pela forma fácil, ágil e segura que a SGC atua. Cada real aplicado é multiplicado por 10 (dez) através do Sistema Cooperativista de Crédito.

Dessa forma, as prefeituras podem fugir do sistema assistencialista que ainda hoje impera na grande maioria das prefeituras, que criam programas e mais programas, estruturas administrativas pesadas de análise, elaboração e acompanhamento de crédito, que são liberados sem as condições de financeiras devidas, nem as garantias necessárias. Com isso, em poucos anos, apresente-se índices de inadimplência alarmantes, tornando-se impossível o retorno daquilo que foi investido.

Muitas prefeituras sabem desse novo mecanismo, mas teimam em fazer o errado, pois politicamente deve ser mais vantajoso. Se for, será apenas para alguns. Para o município que investiu num Fundo Garantidor, não é, com certeza!

Para entender essa nova proposta, tem de haver uma abertura de mentes, de procedimentos e de postura, é justamente isso que a SGC GarantiNordeste demostrou com a Missão Toledo.

Essa conversa não encerra por aqui. No próximo artigo continuarei tratando desse assunto, apresentando casos de sucesso a partir da confiança e parceria com a Sociedade Garantidora de Crédito.

A opinião do colunista não reflete necessariamente o posicionamento da ACCG

colunas anteriores