O Comércio Eletrônico seria o “vilão” das baixas vendas do comércio tradicional no último Natal?

18 de janeiro de 2017 Opinião do Empresário 0

Caso esta pergunta fosse feita nos Estados Unidos a resposta seria sim. No Brasil a resposta seria em parte, sim. A diferença é que no Brasil, além do impacto do comércio eletrônico (eCommerce), temos nossa crise econômica. Já faz tempo que venho comentando sobre o crescimento, vertiginoso, do eCommerce na forma de vender produtos e serviços, mundo afora. Não dá mais para ignorar este novo modelo de fazer negócios que vem transformando, rapidamente, nossos empreendimentos e a forma como nos relacionamos com nossos clientes. Seja o e-Commerce “B2B” (empresa para empresa) seja no “B2C” (empresa para o consumidor), a transformação é palpável e claramente, impacta sim as vendas do “comércio tradicional”, não importando se a loja esta em uma rua de Campina Grande ou em um shopping.

A notícia recém-publicada, em vários meios de comunicação, dando conta do fechamento de mais de 200 lojas das redes “Macy´s” e “Sears”, além do baixo nível das vendas no Natal passado, acenderam o sinal vermelho (o amarelo já estava aceso) no varejo (físico) americano. Comemoração mesmo só nos grandes e pequenos, “sites” (ou lojas) de vendas on-line, a exemplo da gigante americana Amazon e do chinês AliExpress., que tiveram crescimento das vendas. O cliente mudou (particularmente os “menores” de 30 anos), essa turma já nasceu e cresceu, na era da Internet e seus “hábitos” foram levados para a maneira como eles se comportam como consumidores.

Os próprios shoppings estão se adaptando e tornando-se mais centros de lazer e de serviços, que somente centros de compras. Com esta visão da nova forma de comercialização onde o “peso do uso de tecnologia” é cada vez maior, o nosso presidente Marcos Procópio já trabalha em ações lideradas pela ACCG e com apoio de parceiros, a exemplo do SEBRAE, para que nosso empresariado se adeque a nova realidade. Resumindo: É evoluir e adaptar-se, caso contrário, estaremos fadados a extinção como os dinossauros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.